efêmero

paulo da costa

(tradução de Mauro Faccioni Filho, Brasil)

passo a passo

cavo vales

sob cada pisada

a formiga escala

montanhas de areia

recém erguidas

esta é a força

a moldar o mundo

cada pernada, junto

da areia molhada

vai mais fundo, dura

o mais breve momento

como uma onda

estende sua língua

acariciando a praia

e pegadas deixam-me

como se eu nunca tivesse

caminhado aqui

 

 

sem título

paulo da costa

(tradução de Mauro Faccioni Filho, Brasil)

 

 

gota a gota

uma garoa surge

leve, quase

amável, sufocante

céu, o ruído

de um homem ou uma mulher

lutando

querendo ir pro sul

ali bem perto

de uma miragem do deserto

 

mas não há lugar

na terra em que lágrimas não

estatelem-se pelo chão

 

é a gravidade habitual

até as tempestades

brotam tênues de si mesmas

e fúria é um vento

sem uma pipa

 

 

predador

paulo da costa

(tradução de Mauro Faccioni Filho, Brasil)

O coiote faminto ronda minha casa

adormecido comovo-me

perplexo com pesadelos

o coiote segue minhas pegadas pela neve

até o degrau da porta dela

meu degrau

para ela

seu coração

uiva uma canção sem retorno

escorrendo pela neve derretida

 

Os olhos azuis

de sua própria decepção

fizeram-no perceber

que a caçada falhou

 

esse janeiro fraco

sua fria mandíbula

crava os dentes

irritados no osso elástico

 

Eu desperto,

pouso minha mão no peito dela.

 

Nossos corações ainda rimam quando batem.

 

 

 

Inverno

 

O inverno é longo

a caça um velho hábito

o inverno retornará

a caça nunca termina

O perfume do sangue

suspenso no ar

atração magnética

e a retração da lua

na mente de um amante

a última linha

jamais escrita

 

 

©paulodacosta2000

 

 

This entry was posted in Poesia and tagged . Bookmark the permalink.

One Response to efêmero

  1. Ghyslene Rodrigues says:

    “A ultima linha jamais escrita”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *